Grupo de iguais.

Publicado em 14/09/2017 por

Escolas particulares procuram alternativas para lidar com os diferentes ritmos de aprendizagem dos estudantes.


Acompanhar os alunos e oferecer reforço àqueles que necessitam é fundamental, mas não basta colocar as crianças com dificuldade numa sala com um professor e sobrecarregá-las de conteúdo: é preciso respeitar o ritmo, as características da criança, além de valorizar o que ela sabe e sua capacidade de aprender.

Depois de várias tentativas de implantar a recuperação no formato tradicional ? atividades no contraturno ou em grupos separados -, o colégio Equipe, de São Paulo, desenvolveu o projeto Orientação de Estudos, que agrega estudantes do 2º ao 5º ano com necessidades semelhantes de aprendizagem.

?Os alunos ?em recuperação? ficavam numa situação ruim diante dos colegas, o que prejudicava sua confiança em sua própria capacidade de aprender?, conta o diretor do Equipe, Luis Marcio Barbosa.

Essa percepção, somada aos bons resultados obtidos nas atividades de integração de turmas de anos diferentes e a algumas experiências em sala de aula com atividades em grupo, foram o ponto de partida do projeto, implantado em 2005 na área de matemática.

Ao invés de aulas extras, o projeto reúne, num mesmo grupo, alunos de anos diferentes, mas com necessidades semelhantes. Os estudantes são divididos em subgrupos de trabalho, cuja composição e tarefas são definidas pelas professoras. Cada subgrupo recebe um desafio ou uma tarefa, desenvolvida ao longo de três encontros aproximadamente. Após esse período, é feito um rodízio de parceiros e funções para que todos os alunos possam aprender com aqueles que já sabem e ensinar aquilo que sabem.

A intenção é romper com a ideia de que, numa turma, existem alguns que ?sabem? e outros que ?não sabem?, promovendo a autoconfiança da criança. São vários os critérios que orientam a composição dos grupos. Há aqueles com alunos com hipóteses ou aprendizados semelhantes, que necessitam de acompanhamento contínuo e trabalham sob orientação do professor.

Outro tipo de grupo é organizado em função do tipo de conteúdo a ser trabalhado, em que os alunos contam com o apoio de um parceiro mais experiente que ajuda os colegas na elaboração das tarefas e desafios. Finalmente, existem os grupos autônomos, em que parceiros trocam e corrigem as atividades uns dos outros, a fim de aprimorar conteúdos e explorar novas aprendizagens.

Origens diversas

A formação individual, orientada pelas características pessoais e sociais, é a base para um trabalho de recuperação bem-sucedido, na opinião da diretora do colégio Graphein, Nívea Fabrício. ?Avaliamos o processo e, a partir do que constatamos, replanejamos as aulas a cada 15 dias?, explica Nívea.

Segundo ela, isso colabora para a aprendizagem de todo tipo de aluno ? desde aqueles que apresentam defasagens até os que possuem altas habilidades. ?Muitas dificuldades, que acabam resultando em reprovações, têm origens diversas?, analisa a diretora, enfatizando a necessidade de um diagnóstico minucioso.

Nesse processo, a interação com a família é importante, pois ajuda a identificar eventuais problemas e a orientar o trabalho da escola.     

http://www.revistaeducacao.com.br/grupo-de-iguais/" target="_blank" rel="nofollow" class="f-link">Link do artigo 


 
 
 

Artigos recentes

Imagens de dois cérebros infantis mostram a diferença que o amor dos pais faz.
Publicado em: 21/11/2017
Quando alguém disser que amor demais "faz mal" à...
II SUPERVISÃO ANDEA - Saúde e Educação
Publicado em: 13/11/2017
No dia 11 de novembro de 2017, a ANDEA...
Por que seu filho não precisa mais ser um aluno Nota 10?
Publicado em: 13/11/2017
A urgente necessidade de realizar profundas...
Como melhorar a autoestima da criança?
Publicado em: 09/11/2017
A autoestima se forma ao longo da infância, mas...
Todos os artigos
 

Veja também