Incentivar a curiosidade da criança pode ajudá-la a se tornar um adulto bem sucedido.

Publicado em 05/09/2017 por

Com maior acesso a informação e possibilidades de aprendizado, a curiosidade vem adquirindo nova importância no processo educacional; nos últimos anos pesquisas a relacionam a maior criatividade e ao crescimento pessoal e profissional.


Mas na sala de aula o caminho parece o oposto: ao focar em notas e resultados mensuráveis, o modelo de ensino voltado para avaliações coloca a curiosidade em segundo plano, apesar desse aspecto ser considerado um dos fatores determinantes para o sucesso acadêmico. 

Mas na sala de aula o caminho parece o oposto: ao focar em notas e resultados mensuráveis, o modelo de ensino voltado para avaliações coloca a curiosidade em segundo plano, apesar desse aspecto ser considerado um dos fatores determinantes para o sucesso acadêmico. 

Base do desenvolvimento 

Estudo realizado para a Association for Psychological Science aponta que a curiosidade é um dos pilares para o desempenho acadêmico, e deve acompanhar os fatores tradicionais para desenvolvimento da inteligência, como habilidade e esforço; essa expansão dos fatores de formação da inteligência pode ser a chave para entender melhor as diferenças individuais no desempenho acadêmico dos estudantes. 

Já sua consideração como elemento fundamental para o aprendizado, pode ser um fator decisivo na formação de crianças com alto desempenho acadêmico e altas habilidades, de acordo com estudo realizado por pesquisadores da California State University. 

A pesquisa foi realizada ao longo de 27 anos, acompanhando 107 crianças desde seu primeiro ano, em 1979, até a vida adulta. Aos oito anos de idade, as crianças foram avaliadas com base em teste de QI, no qual 19% delas tiveram resultado acima da média. Ao traçar o perfil, constatou-se que as diferenças estavam, principalmente, na maior capacidade de manter atenção por longos períodos de tempo, foco em resultados nas atividades e maior desenvolvimento de linguagem e capacidade motora.

Outra característica comum observada foi uma resposta engajada a estímulos - essas crianças apresentaram o hábito de pedir mais atividades extracurriculares, por exemplo. Além disso, os estudantes mostraram maior satisfação com tarefas desafiadoras e com a conquista de dificuldades nas atividades: a motivação pode ser considerada o diferencial dos alunos com desempenho acima da média. E para os estudantes se sentirem motivados, é necessário estimular a sua curiosidade. 

Novos padrões 

Algumas boas ferramentas para o estímulo da curiosidade no ensino são a adoção de atividades complexas, que oferecem novidade para a rotina da sala de aula e causam surpresa nos alunos, além de incentivar novos questionamentos e criação de hipóteses, diferente do padrão de perguntas e respostas fechadas. 

Esse estímulo faz a diferença principalmente em aulas de ciências, pois se alinha aos passos principais do processo científico: o questionamento da natureza, a formulação de hipóteses e a experimentação. 

''A curiosidade prepara o cérebro para a aprendizagem e hoje, grupos em universidades americanas e brasileiras, já estudam estratégias para promover o ambiente de colaboração: quando sentimos curiosidade, lembramos mais facilmente do que aprendemos'', diz Ana Ralston, educadora e integrante do programa ''Ciência em Show''. 

Para ela, é necessário contextualizar tudo o que é ensinado na escola com exemplos concretos do dia a dia. ''A escola 'curriculariza' e 'compartimentaliza' a vida, sendo que as áreas são, na verdade, todas integradas'', conclui.



 
 
 

Artigos recentes

Ansiedade na Infância: Como Identificar e o Que Fazer?
Publicado em: 16/02/2018
Estar ansioso significa sentir-se preocupado,...
''Extraordinário''- 5 razões para assistir ao filme ainda neste final de semana nos cinemas
Publicado em: 16/02/2018
O filme é baseado no livro homônimo ?...
?Assim como inglês, língua de sinais deve ser disciplina curricular?
Publicado em: 16/02/2018
Um simples jogo de par ou ímpar se tornou um...
Que tal organizar um museu da empatia na sua escola?
Publicado em: 16/02/2018
Quem teve a oportunidade de visitar o Museu...
Todos os artigos
 

Veja também